Composição – Eu mesmo fiz minhas musicas mas apenas a voz porque não sei tocar nenhum instrumento, você pode “tirar” a harmonia pra mim?

"Artigos", by: - 08/06/2017

Release

Resolvi escrever esse artigo porque recebo freqüentemente músicas de clientes que querem produzir seu CD mas que não sabem tocar nenhum instrumento e mesmo assim escrevem letras, cantam uma melodia em cima e desejam ter suas músicas produzidas. O problema começa quando dizem que tem a composição e que falta só “tirar” ela em algum instrumento. Por falta de conhecimento, acham que compor somente a melodia é suficiente. Nesse momento eu dou a chocante notícia: Se eu “tirar” ela pra você posso me tornar co-autor!

Com o susto, geralmente perguntam: Co-autor? Mas porque? No seu cachê já não consta isso? A resposta é: Não! No meu cachê consta arranjo. Criar uma base harmonica para uma composição se chama harmonizar uma música e é diferente de arranjar. Vamos fundamentar então os argumentos que justificam essa afirmação.

O que é música?

Em qualquer livro básico de teoria musical podemos encontrar a seguinte definição:

Música é uma combinação de sons que agradam ao ouvido e tem a finalidade de evocar sentimentos e traduzir impressões.

Para ser considerado uma música, todo material sonoro deve ter 3 elementos básicos organizacionais: Melodia, Harmonia e Ritmo. Não é toda combinação de sons e silêncios que é considerada música. Para quem quiser se aprofundar mais nos conceitos filosóficos, deixo aqui o link da wikipedia falando sobre a filosofia do que pode ser considerado música ou não e de até que ponto esse conceito pode ou não ser subjetivo. Como aqui ficaria muito extenso, vamos somente ao que interessa.

Muitos confundem melodia com harmonia. Então vamos definir cada um dos 3 elementos:

Ritmo é a sucessão de tempos fortes e fracos que se alternam com intervalos regulares. Numa linguagem popular, é o tipo de batida e o andamento da música.

Melodia é uma combinação sucessiva ( um após o outro ) e coerente de sons e silêncios, que se desenvolvem em uma sequência linear com identidade própria. No popular, é a voz de uma música.

Harmonia é uma combinação ( não mais uma sucessão ) de sons simultâneos ( tocados ao mesmo tempo ) que obedecem as regras da teoria musical. No popular é a base da música, o acompanhamento.

Então se você compôs apenas a voz, faltam 2 dos pilares essenciais: O ritmo e a harmonia!

Se sua melodia está bem construída, coerente, pode ser que o ritmo fique fácil e intuitivo para se estipular e isso não caracterizaria co-autoria, apenas colaboração. Mas por mais bem construída que uma melodia seja, a sugestão que se faz aos acordes que a harmonizam não é suficiente para definir com clareza quais são esses acordes. Além disso, a harmonia pode modificar, transformar completamente uma intenção, uma sensação e um sentimento transmitido naquele momento. Como aqui entram mais 2 conceitos profundos e importantes, vamos dar uma pausa e observá-los.

Fundamentado no site da Biblioteca Nacional, coloco aqui a resposta a 3 principais perguntas sobre co-autoria e colaboração:

O que é obra em co-autoria?

Obra em co-autoria é aquela criada em comum, por dois ou mais autores.

Quem colabora é co-autor?

Não. É co-autor aquele que através de uma efetiva participação acrescentou com sua colaboração uma criação intelectual de fato à obra. O mero auxílio em tarefas não criadoras não constitui criação intelectual.

O que faz um colaborador?

O colaborador é aquele que somente auxilia o autor na produção da obra intelectual, revendo-a, atualizando-a, bem como fiscalizando-a, aconselhando sua edição ou sua apresentação pelo teatro, fotografia, cinematografia, radiodifusão sonora ou audiovisual. Portanto não se confunde com o conceito de co-autor. Ele não é um co-autor da obra intelectual.

Não existe lógica no conceito de “tirar” a harmonia. Isso só seria verdade se uma melodia deixasse claro e óbvio a qualquer pessoa quais acordes incidem sob ela de forma que qualquer pessoa ao ouvir a melodia, usasse exatamente os mesmos acordes. No entanto isso não fica óbvio e explícito numa melodia e cada músico pode colocar uma combinação de acordes totalmente diferente e com isso mudar totalmente o aspecto e o rumo de uma composição.

Harmonizar uma música pode ser considerado arranjo? Não. Re-harmonizar sim pois significa modificar uma harmonia pré existente mas criar a primeira harmonia de uma composição nova não é arranjo. Vamos ver a definição de arranjo, também encontrada em qualquer livro de teoria musical:

Arranjo é a preparação de uma composição musical para a execução por um grupo específico de vozes ou instrumentos musicais.

Existem diferentes formas de arranjar:

Reescrever o material pré-existente para que fique em forma diferente das execuções anteriores ou para tornar a música mais atraente para o público ( essa é a que melhor define o nosso caso aqui );

Expandir o material pré existente quando uma música for executada por um grupo musical maior como uma orquestra ou grupo coral;

Reduzir o material pré existente, quando uma música composta originalmente para orquestra é reduzida para ser tocada por um conjunto menor

Em todos os casos observa-se um material pré existente completo e consistente.

Portanto, Harmonizar uma melodia nova caracteriza co-autoria porque nesse processo o instrumentista acrescenta uma criação intelectual de fato à obra. Os acordes podem mudar totalmente o aspecto de uma composição. Cada acorde traduz uma intenção diferente e pode direcionar a música pra um caminho totalmente diferente. Sobre cada nota ou cada trecho de uma melodia, existem muitas variações, muitas possibilidades e a escolha do acorde mais apropriado para cada momento caracteriza criação intelectual e contribuição significativa à composição em questão.

Portanto, se você não deseja ter co-autores em suas composições o único caminho é aprender a tocar algum instrumento e compor suas músicas com harmonia e melodia.